2007-07-30

Gogol Bordello, um tornado em Sines



O castelo de Sines não veio abaixo por pouco... Eugene Hütz esteve em grande na noite de sábado no Festival Músicas do Mundo. Poucos são os músicos a quem a expressão "animal de palco" assenta tão bem como a Hütz. Duas horas enérgicas, quase sem intervalos entre as músicas, num ambiente avassalador onde a música cigana encontrou o punk, o reggae, o dub e um público a delirar com os ritmos frenéticos dos Gogol.
Um concerto inesquecível. Quem não pôde ir a Sines, pode ainda vê-los no dia 14 de Agosto, em Paredes de Coura.
Mais informações sobre os Gogol Bordello aqui e aqui.


2007-07-23

SLB ou a mudança de costumes



Compreendo o burburinho que se tem vindo a criar em torno do novo equipamento alternativo do Benfica. Homem com Ó grande é do Benfica. Um bom chefe de família tem uma águia ao peito. Estes e outros lugares-comuns têm o tempo contado.


A sexualidade de um benfiquista não se põe em causa e quando se põe, é caso para notícia nacional: lembram-se do rumor da relação entre o Calado e o Melão, dos Excesso? - Apesar de os dois terem vindo a público fazer o desmentido e de o caso ter aparecido numa reportagem da SIC sobre boatos (sobre boatos, não sobre boïtes) juntamente com a fictícia morte do pequeno Saúl (o Quim Barreiros em formato porta-chaves); de nada serviu lutar contra a fúria benfiquista... Desapareceram os dois. Um foi jogar para clubes com nomes esquisitos e o outro voltou a despir-se em discotecas.


Dito isto, parece-me defensável que a direcção do Benfica tenha feito esta manobra sociológica de lançar um equipamento cor-se-rosa. É ver os benfiquistas de bigode e camisola rosa, a defender que aquela cor é tão bonita como outra qualquer. É um verdadeiro combate à homofobia nacional, este equipamento... nem as manifestações da ILGA têm tanto impacto na luta pela igualdade.


Correm já rumores de que o próximo passo nesta luta será dado com as novas botas do SLB:


Capitão Moura... É..!

Depois de Capitão América, Capitão Gancho e Capitão Roby, eis que chega...

Capitão Moura! É...!

- Um homem que exibe uma "ética de profissionalismo" inigualável, mais do que um homem, ele foi um Comando. Nas suas palavras, "um hóme JUSTO, HONESTO, COIRENTE, IMPARCIAL".

Apresento-vos o grande, o único, o bêbado, El Capitán.

BAMOS, PROGRESSO!

Oiçam a grande despedida do saudoso capitão, com um grande "Xau, Camera méne!".

Em breve trarei mais notícias do Capitão.

2007-07-16

Vergonha Alheia - um exemplo prático com António Calvário

Para quem nunca teve uma verdadeira experiência de Vergonha Alheia, ou não sabe bem definir o sentimento, aqui fica uma experiência alucinante nesse domínio.

Da "pitty laugh" à vontade de o rachar ao meio em apenas 10 minutos.

P.s.: Nunca mais voltarão a ser os mesmos.

2007-07-13

Pequenos Ditadores

(Podem ver esta e outras fotos no meu cantinho no Olhares.com)

Que as crianças de hoje serão os homens de amanhã, é inegável. Que serão eles a governar, a tratar, a ensinar, a construir, a inovar, também concordo. Mas há que dar tempo ao tempo, caramba!

Os pais de hoje em dia prestam uma vassalagem às crianças apenas comparável à exigida pelos grandes ditadores da História da Humanidade...: Basta o puto apontar, com nariz empinado, para o novo boneco do Homem-Aranha, e este passa a fazer parte do conjunto de bens de primeira necessidade no carrinho das compras.

E as birras? É verdade que todos as tivemos, e que são normais, mas com os miúdos de agora é diferente, pá... Na maior parte das vezes são meros exercícios de poder, para verem como é que reage o seu proletariado:

Já assisti a discussões deste tipo entre putos de 4 anos e os pais:

Filho: "Mamã, oia! - cócó do aõ-ão!"
Mãe: "Pois é, filhote, que porcaria...!"
Filho: - Olha para o «presente» com um ar pensativo, e depois vira-se para a mãe
"Mamã, põe o dedo no cócó do ão-ão."
Mãe: "Ai, João, que raio de coisa te foi passar pela cabeça...! Por amor de Deus!"
Filho: "BUÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ!!!!!!!!"
Mãe: "Esta agora... Está doido, o raio do miúdo! - Ó Miguel, já viste o que o teu filho se lembrou de pedir, pá...? É que não há pachorra!"
Pai: "Ó querida, é domingo à tarde, não nos vamos chatear com isso..."
Mãe: "Pois, mas ele não pára de chorar"

- A esta altura, o pequeno diabo já transformou o pedido em palavra de ordem repetidamente gritada: PÕE O DEDO NO CÓCÓ DO ÃO ÃO ...! AAAAAAAAARRRRRGHHHH BUÁÁÁÁÁ...!
PÕE O DEDO NO CÓCÓ DO ÃO ÃO ...! AAAAAAAAARRRRRGHHHH BUÁÁÁÁÁ...! PÕE O DEDO NO CÓCÓ DO ÃO ÃO ...! AAAAAAAAARRRRRGHHHH BUÁÁÁÁÁ...!

Pai: "Olha, amor, se não pões tu, ponho eu, que ainda quero chegar a casa a tempo de ver o meu Benfica"
Mãe: "Então põe... Nojento."
Pai: - fingindo tocar com o indicador - "Olha, filho, estás a ver? O pai já pos o dedo no cócó. Vá, vamos embora?"
Filho: "Nãaaããããão - é a mãmã...! A mãmã... A mãmã... BUÁÁÁÁÁÁ....!!!"
Mãe: - imitando o marido - "Pronto, Joãozinho, vá, a mãe já pôs, vês?"
Filho: "NÃO!!! - Não mexeu-se!"
Mãe: "Mexeu, mexeu, filho, não viste?"
Filho: "BUÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ...

- Todos sabemos como é que a história acaba...: O puto consegue sempre satisfazer os seus pedidos mais macabros.

A verdade é que isto se deve à cultura de "adoração do menino" da sociedade ocidental do século XXI. Quando eu era criança, à primeira ideia deste género, levava uma lamparina e ficava logo ali a perceber quem é mandava... Faz-lhes falta, umas belas lambadas.

Em paralelo a este mundo em que os pequenotes já ditam tudo e mais alguma coisa na sociedade de consumo, existe um outro, em que as dificuldades dos pais são bem mais graves, como o simples facto de conseguir comida e água para que possam criar os seus filhos com saúde.

Passem por http://projectoatravesdalente.blogspot.com/ e digam-me se a felicidade se compra com bonecos do X-Men.

2007-07-12

Vrrrrrrrrrrrrrrruuuuummmmmm!!! (ou não...)



Já temos o sucessor dos jipes UMM na indústria automóvel portuguesa: chama-se Vinci GT. Criado em parceria entre o Museu Automóvel da Maia e o Centro para a Excelência e Inovação da Indústria Automóvel, esta mistura entre um Ferrari e um Aston Martin, hoje apresentada ao público, promete competir no mercado de automóveis desportivos de luxo.
Embora ache que este é um exemplo a ser seguido, existem alguns factos que precisam de ser explicados:
1. O nome.
Vinci. Um nome bem bonito, a fazer lembrar a célebre frase de Júlio César: vini, vidi, vinci! - Até aqui tudo bem, não fosse o nome figurar na grande lista de candidatos portugueses a perder o Festival Eurovisão da Canção. "Já fui ao Brasil, Goa e Macau...!". Mas tudo bem... Só acho mal que não tenhamos a saudosa denominação dos modelos UMM, com nomes de terras Alentejanas como ALTER, mas sim uma localidade italiana, onde por sinal nasceu o grande pintor renascentista. Porque não "Freixo-de-Espada-à-Cinta GT"? E que mal haveria em termos o modelo "Fornos de Algodres GT"...? Ou até "Porcalhota GT"... Pronto, esta última não é muito apelativa, mas experimentemos com dois t's e em itálico: Porcalhotta GT
Bem bom.
2. A velocidade.
Promete bastante: Ultrapassa os 300 Km/h e acelera dos 0 aos 100 em 4,5 segundos. Impressionante. Não fora o facto de o motor não ser fabricado cá... Até eu consigo por o meu Clio a bombar até aos 300 à hora na A1, se o artilhar com um motor daqueles...! - Já me estou a ver rodeado de adeptos do Xunning, a dizer: "G'anda bomba, mén, o que é que fizestes para por o teu Clio a passar pelo meu Saxo GTX3 Turbo-Tunnig III assim tão rápido? Metestes-lhe um chip? Ou usastes aquelas luzes de néon debaixo da carroçaria?"
Mas pronto, é normal que assim aconteça e ainda assim é um modelo competitivo, que pode provavelmente ombrear com os desportivos das marcas mais conhecidas. Só é preciso é que não saia da linha de partida com meia hora de atraso, como aconteceu hoje no seu lançamento...
- É a marca de charme portuguesa... Afinal, podiam-no confundir com um Aston-Martin, se tivéssemos pontualidade britânica na apresentação do carro...