2007-09-19

Óculos Armane


Como não acredito em Deus, Ele dá-me sempre sinais de que existe, tentanto demonstrar-me que eu devia acreditar na palavra divina. E como é que Ele o faz? - Manda-me cromos baterem-me à porta do trabalho. Desta vez o enviado foi um gajo aí com uns 30 anos, cigano, com um saco na mão.

Ele: Bô tarde, tá aí o responsável?
Eu: Bem, neste momento o responsável sou eu... Diga...
Ele: Podemos ir ali para o gabinete?
Eu: Diga-me lá o que pretende...
Ele: Posso tratar-te por tu?
Eu: ... Sim ... pode...
Ele: Prontos... Como é que te chamas?
Eu: Tiago
Ele: É assim, tenho aqui um negócio que não podes desperdiçar... Óculos de marca que a gente só anda a vender a malta assim com classe.
Eu: Pois, pois, mas eu não quero comprar óculos de sol... Já tenho.
Ele: Mas Carlos, isto é um óculo de marca. Armane! - Vais aquela loja ali e vês o preço: 150 euros.
(trabalho aqui há um ano e juro que ainda não vi nenhum oculista aqui perto)
Eu: Pois, mas deixe estar, obrigado... Eu só compro óculos de 5 euros, e tenho 3 pares em casa para estoirar antes de comprar outros.
Ele: Tu é que sabes o que andas a fazer às tuas vistas!!! Isso cega uma pessoa, sabias?
Eu: Pois, tá bem, mas eu não me importo...

O gajo dá-me uns óculos para a mão e vai-se embora, com um andar gingão.

Eu: Espere aí!!! Tome lá isto!!!
Ele: (volta-se p trás) - Ricardo, dás-me 15 euros e não se fala mais nisso.
Eu: Eh pá não quero, tenho 3 óculos. Passe aí um dia destes que se eu precisar, compro.
Ele: Já não dá, Ricardo, a seguir vou partir para outra, vou agora buscar portáteis e máquinas fotográficas. É pegar ou largar.

E eu obviamente larguei... Ou não me chamasse eu Tiago... Ou Carlos, ou Ricardo ou Buda ou lá o que é.

Mudança de Óleo



Depois de uma viagem de mil e tal quilómetros, reparei que não tinha mudado o óleo ao carro, coisa que devia ter feito há... 4.000 km atrás.... (sou um mago do volante e da mecânica).

Assim, fui ao Carrefour de Telheiras comprar óleo, porque os tipos mudam o óleo à borla. Tirei a senha e depois de esperar um bocado, lá meti o carro no cientificamente denominado "coiso que levanta carros". Sentei-me à espera que terminassem e nisto aproxima-se companhia: um chavalo que lava os carros lá ao lado.

Ele: Posso sentar-me aqui? (eu estava sentado num bloco de cimento)
Eu: (a olhar para mais cinco blocos iguais mesmo ao lado) - Sim, sim...
Ele: Então, está a mudar o óleo?
Eu: Errr... Pois... Tenho o carro ali, com uma mangueira a tirar óleo, por isso sim, penso que estou.
Ele: Ah... - É um Renault Clio?
Eu: Não, é um Mercedes, mas eu disfarço-o assim de utilitário, para niguém ter inveja.
Ele: Então e o óleo, quanto é que deu por ele?
Eu: 70 euros.
Ele: Foooooooooooooogo!!!! Muita caro!
Eu: Sim, mas fui eu que quis, porque o carro tem muitos quilómetros e este óleo é melhor.
Ele: Pois, "fizestes" bem. É a gasóleo?
Eu: Não, é a gasolina que o gasóleo tá caro.
Ele: (sem perceber a piada) Um amigo meu tem um Saxo a gasóleo. Aquilo só leva de primeira!
Eu: O quê!? Que é isso de levar de primeira?
Ele: Só leva óleo de primeira! Da primeira vez ele pôs óleo de segunda, man, e aquilo não puxava nada...!
Eu: Ah...
Ele: NEM A NAMORADA ELE CONSEGUIA LEVAR LÁ DENTRO!!! Só podia andar sozinho.
Eu: Xiiiiiiii...!
Ele: Tá bem que a namorada dele é um bocado GORDA... Mas aquilo com ela lá dentro não puxava nada... Só óleo de primeira é que dá para andar com a namorada lá dentro.
Eu: Meu, a namorada dele deve pesar comó caraças...!
Ele: Pois... É um bocadinho, vá... Forte.

E passados uns segundos sem ninguém falar, o gajo levanta-se do meu bloco de cimento e vai à vidinha dele...

LINDO.

Avante!


No Avante!:

Eu: A segunda coisa que vou fazer assim que chegar a casa é ir direito à casa de banho.
Eles: A segunda? - Então e a primeira?
Eu: Primeiro vou abrir a porta. Não vou cagar à porta de casa.