2011-02-11

E por falar em Fado...



Faleceu no hospital
Um amigo bestial
Era o Zé enrolava charros
E só deixou neste mundo
Uma viúva no Dafundo
E um maço de cigarros

De seu nome Barnabé
Original da Guiné
Era homem de recursos
Certo dia no Areeiro
Chamaram-lhe paneleiro
Engoliu vivos dois ursos

Em noites de sexta-feira
Com uma granda bubadeira
Até parece impossível
Deu-lhe um aperto urinário
Confundiu o sanitário
Com a passagem de nível

Brutalmente trocidado
Por não estar habituado
Porque só bebia Gresso
Barnabé, ó Barnabé
Já não vês mais a Guiné
És vítima do progresso

Barnabé, ó Barnabé
Já não vês mais a Guiné
És vítima do progresso


.

12 comentários:

  1. este música toca-me em sítios que não esperava serem sensíveis. lindo

    ResponderEliminar
  2. A,

    No David hasselhoff?


    Grilu,

    E o meu blogue que apagou o teu? Maroto, já lhe dei uma reprimenda e voltei a por-te no lugar.

    ResponderEliminar
  3. Alexandra,

    Não tinha reparado. Tadinho, pá, trata-o com carinho e dá-lhe whisky em saquetas. É o que eu faço ao meu.

    ResponderEliminar
  4. Grilu, o que é que isso interessa?

    E nos Deolinda.

    ResponderEliminar
  5. Andaste a beber whisky em saquetas, não andaste?

    ResponderEliminar
  6. :-D

    Bombons de licor.

    ResponderEliminar
  7. eu logo vi que essa cara de ':D' parva, não vinha do nada.

    ResponderEliminar
  8. Não, a cara está certa.

    ResponderEliminar
  9. A do Stephen Hawking está errada. Muito errada.

    ResponderEliminar