2009-01-29

Do Urinol


Não gosto de mictar em urinóis. Não micto, não micto e não micto.

Não consigo perceber quem é que foi o arquitecto que pensou "Olha... aqui nas casas de banho das senhoras pomos estas sanitas e estes lavatórios, tá bom? Mas para a dos homens, poupamos nas sanitas porque eles podem muito bem mijar para a parede."

É estúpido.

Não que eu não mije para a parede, longe de mim tirarem-me esse gostinho, mas eu gosto de ter a minha parede, não de a partilhar com mais pessoas em simultâneo. E gosto de uma parede no meio do campo, assim num local onde não passe ninguém e onde as provas do crime não incomodem ninguém. O que não é verdade nas casas de banho públicas, porque as bolas de naftalina nunca foram canonizadas por fazerem milagres. É nojento, pá. Especialmente porque quase ninguém puxa o autoclismo daquela geringonça.

Obviamente que se for um urinol sem ninguém e limpinho (sem pêlos públicos) eu até o uso, mas é muito raro. Faz-me sentir uma espécie de australopitecus que a seguir sai dali e vai apanhar raízes e tubérculos para acompanhar o coelho crú. E eu não gosto disso.

Se há coisa que me irrita é estarem as sanitas todas ocupadas nas casas de banho das estações de serviço das autoestradas. É que obviamente entro ali já à mijinha para rascar e fico com as escolhas um bocado limitadas. Lá tenho eu de aproximar o meu precioso e limpinho instrumento-do-xixi daquela sanita vertical com bolas de naftalina sobre uma rede de plástico e com decoração de pintelhos arte-nova.

Epá e há pessoas com longos cabelos, há sim senhor. Eu, depois de ficar enojado, penso sempre "este anda a deixar crescer para atar com um elástico".

E acho muita piada àqueles sistemas todos dos autoclismos automáticos, luzes automáticas, torneiras automáticas, secadores automáticos... Mas e os puxadores das portas? Ninguém mete uma merda de uma porta automática? Estou a ficar extremamente irritado e acho que vou bater naquela velhota que vai a passar aqui em frente à porta, só para descomprimir.

Mas o pior mesmo é nos festivais de Verão... Agora lembraram-se de juntar quatro urinóis numa "ilha", e está o pessoal em cima de uma coisa de plástico a mijar uns contra os outros... Uma ilhazinha de urina. Que bom. Mas pronto, aí ando meio azamboado e micto onde posso sem me queixar muito. Mas este Verão, no Sudoeste (sim, fui ver Chemical e Bjork) estavam as ilhas todas cheias de náufragos e tive que ir à vedação. Estavam lá uns 200 companheiros do mictanço, todos bêbados, o que é visualmente muito engraçado porque parece um conjunto de aspersores num campo de golf, mas tira-me toda e qualquer vontade de participar. Nunca fui muito de mijar em manada...

.

28 comentários:

  1. Permite-me discordar da tua opinião. O urinol é sempre de longe melhor alternativa em relação à sanita! Passo a enumerar as vantagens.

    1 - Não tenho de gramar com o cheiro a merda e os vestigios de submarinos já ali naufragados.

    2 - Na sanita tenho de tentar aviar um biqueiro bem apontado e com a força certa para que o tampo não volta a cair. No urinol não é preciso levantar tampos.

    3 - Ir mijar á sanita é mais uma porta e um puxador em que tenho de mexer.

    4 - Mijar para as bolas de naftalina é sempre um passatempo, tipo versão hardcore de pinball.

    ResponderEliminar
  2. Vantagens da sanita:

    1 - Se tiver vestígios submarinos e etc, tens as seguintes alternativas: puxar o autoclismo; ir ao urinol.

    2 - Quase nenhuma sanita publica dos homens tem tampo... E nas wc's das casas dos amigos, se a tampa não fica em cima, é porque o gajo não percebe de bricolage, logo, é panasquim.

    3 - De facto é verdade, mas é melhor do que ter o my precious a 5 cm da louça de valadares onde mija meio mundo

    4 - Nisso dou-te razão.

    ResponderEliminar
  3. Parece-me que tens uma bexiga tímida. Havias de ter crescido como eu, com uma melhor amiga que quando ia à casa de banho me acompanhava e se sentava mesmo à minha frente, continuando alegremente a conversa que estava a ter comigo.

    ResponderEliminar
  4. Tenho mesmo. Não há situações mais giras para se ter diálogos? Sei lá, a beber um café ou assim...

    ResponderEliminar
  5. Contestação do teu ponto 1 e 3:

    Re 1 - Se puxas o autoclismo é mais uma merda em que tens que tocar ou biqueirar!

    Re 3 - Podes sempre criar um afastamento na horizontal, aliás gajo que é gajo mija a meio metro do urinol.

    ResponderEliminar
  6. Claro que há. Nós simplesmente não interrompemos uma conversa só porque temos de ir à casa de banho. Mas no caso da minha amiga, ela vai para dentro do comigo.
    Sinto destruir as fantasias masculinas, mas quando vamos juntas para a casa de banho não é para fazer orgias com os piaçabas, nem há lá máquinas de distribuição de vibradores (era uma ideia).

    ResponderEliminar
  7. Isso n é nada lol...

    Tentem lá mijar quase de cócoras sem tocar na sanita e ao mesmo tempo por um pé na porta para que ninguém entre enquanto estás naquela linda figura lol...sim, que maior parte dos wc públicos n têm fechaduras nas portas, n têm tampas de sanita e papel tb é coisa que eles acham que nós n precisamos lol.

    ResponderEliminar
  8. Pwfh: Biqueirar. Sempre. Mesmo quando está alto. Em relação ao afastamento, é o que faço, mas sinto-me sempre aquele puto da estátua.

    CBlues:

    1 - Não tinha nenhuma fantasia em Wc's femininos. Aliás, se há sítio onde não me passa pela cabeça ter fantasias é em Wc's públicos. Nem todos temos um "je ne sais quois" de George Michael.

    2 - Essa cena da tua amiga ir para dentro do comigo está-me a fazer espécie.

    3 - Orgias com piaçabas é qualquer coisa de surreal. Nem o Sá Leão...!

    ResponderEliminar
  9. Canuca,

    Tu tiraste esse curso nas casas de banho do Crique du Soleil, não tiraste?

    ResponderEliminar
  10. Perdão... Cirque.

    Mas "Crique" é muito bom. É crica em francês. Isto é o meu subconsciente a dizer que depois de amanhã vou ter que inventar palavras do género em paris da frança...

    ResponderEliminar
  11. Devias ter ficado calado. É que tinha mesmo funcionado! Cheguei a achar que eras um visionário.

    ResponderEliminar
  12. Não imaginas o que me ri com o meu próprio erro...

    Errare [assim] sobrehumanum est

    ResponderEliminar
  13. Mas posso sempre apagar todos os comentários depois da crique e passar por genial... o que achas?

    ResponderEliminar
  14. Acho que já não vale a pena, mas conseguiste sobrepôr o teu lado humano ao teu lado cómicótrágico.

    ResponderEliminar
  15. Eu fiz isso? Peço desculpa.

    ResponderEliminar
  16. Essa de mictares no meio do campo contra uma parede parece-me muito bem, se vires alguma árvore desvia o jacto...do mijo!

    ResponderEliminar
  17. Sim...foi no "Crique" foi lolol...já me fizeste rir lol

    ResponderEliminar
  18. "La" crique!

    Mais oui...!

    ResponderEliminar
  19. "Mais oui" lê-se mé-uí ou mais-ôi?

    ResponderEliminar
  20. o blog19:57

    não mijas em urinóis?
    Ninguém vê o óbvio?
    ELE VIROU PANELEIRO!

    ResponderEliminar
  21. Não percebo porque é que não gostar de mijar para uma parede que é mijada todos os dias invalida a minha atracção por mulheres.

    E digo-te uma coisa, quando mijo no urinol não saio de lá com vontade incontrolável dar uma e de fazer bricolage...

    ResponderEliminar
  22. Grassa,

    Não sei. Mas na 4.ª feira digo-te.

    ResponderEliminar
  23. Porra, finalmente alguém assume o óbvio.

    Mas, atenção, mesmo na versão trágica da ida ao urinol, há idas e idas, há espaços e espaços.

    Uma coisa é um gajo estar a mamar copos na Portugália do Cais Sodré, levantar o corpinho de 20 em 20 minutos para ir mijar no urinol limpinho, automático e com quadros vanguardistas à altura dos olhos.
    Outra coisa, terrivelmente dramática, é um gajo ir no intervalo de um jogo do Benfica ao wc e encontrar 6 ou 7 filas de 5 metros cada, tudo direccionado para 6 ou 7 urinóis. Resultado? Além de um gajo esperar mais do que devia (tendo em conta a vontade inequívoca de soltar banhos pelo instrumento), quando lá chega, aquilo está num estado que lá dentro é bem capaz de estar a ser realizado um filme do Rob Zombie. Além disso, do lado direito, do lado esquerdo andam bípedes a mijar, uns em roncos, outros em soluções, mijo por todo o lado; atrás de nós, gajos mortos por mijar, empurram, vociferam, clama: "é a andar, caralho, é a andar". No meio... nós, com um urinol em frente, tentando mijar a uma distância razoável mas ao mesmo tempo procurando não nos chegarmos para trás em demasia de forma a não tocarmos no gajo que, atrás de nós, suplica que o deixem mijar.

    A sério, já inventavam a civilização das casas-de-banho.

    ResponderEliminar
  24. Ricardo,

    Mijar no Estádio da Luz é de facto um filme do caneco. E eu sei o que digo porque fui ver o Benfica-PAOK em que ganhámos nos penaltis, depois do prolongamento.

    E ainda serviam cerveja com álcool...

    ResponderEliminar
  25. E penso que ficou provada a minha masculinidade no comentário que acabei de fazer.

    Ah, e quando saí de lá, escarrei para o chão várias vezes.

    Se bem que numa delas fiquei com um fiozinho a ligar a minha boca ao pavimento.

    ResponderEliminar
  26. não foi o duchamp que fez fama com um urinol? :)

    ResponderEliminar
  27. Que post latrinário...
    ainda bem que nao tem cheiro...

    ResponderEliminar