2009-03-24

Bully


Apresento-vos a minha escola. É tão pouco fotografada, que tive que ir sacar uma imagem ao Google Earth. Isto, só para verem quem é o bicho do mato que está aqui deste lado.

É com um estranho amargo de boca que constato que não vou para novo.
- E pior: qual Zézé Camarinha, não confio na juventude e acho até que está perdida. E atenção, digo isto enquanto cofio o meu bigode aqui à beira da piscina acompanhado desta cámone em fato de banho esquisito, que parece saída dos anos 80.

A história que estou prestes a contar é do tempo em que ninguém em Portugal sabia o significado da expressão bullying. Sentem-se aqui no meu colinho.

"Era uma vez, há muito muito tempo atrás, na era em que os telemóveis tinham um fio ligado à parede e faziam trrrrrrim mesmo com campaínhas a sério lá dentro e tudo.

Grilo andava no 10.º ano, tinha o cabelo comprido e camisas de flanela. E o pior é que achava isso fixe. Deus ainda não tinha inventado o Mp3, por isso ele carregava o seu walkman mais as 17 cassetes de Nirvana, Doors, Soul Asylum, R.E.M. e umas quantas que tinham escrito Vários 1, Vários 2, Vários Hard, Vários Soft. Mais tarde, percebeu que tinha demasiadas cassetes com o nome "Vários".

Às quartas feiras, a guitarra acompanhava os 7Kg de livros carregados para a escola. Depois de tocar o come as you are matinal, Grilo ia à aula de T.L.Q. essencialmente para atirar papéis mascados para o tecto (papié-maché au tecte), destruir com "Vermelho do Congo" e ácido sulfúrico as plantinhas dos colegas da outra turma, e para aprender com o Marco Assassino mais uma maneira de ser mandado para a rua. Coisa que acontecia sempre, inevitavelmente, mesmo que o desgraçado não tivesse culpa. Desta vez, enquanto se falava de química orgânica, Marco Assassino descrevia como tinha queimado as sobrancelhas com uma lata de perfume em chamas: Como aquilo não ateava, eu acendi o isqueiro e virei a lata para ver se estava a meter a chama no sítio certo e aquilo PRÔÔôoÔ!!!! mesmo na minha cara, e eu "FODA-SE, CARALHO!!!". Este foi aquele momento em que 27 pessoas se calam de repente e ficam a ecoar na sala aquelas duas belíssimas palavras.

A seguir, não houve aula. Nenhuma, até ao fim do dia. Seis horas são claramente demasiado tempo livre, especialmente numa terra onde as principais diversões são o rally das tascas em aguardente bagaceira 4x4 e os amassos na relva do jardim público. O que pensando bem, nem era nada mau, mas nesse dia apetecia algo... Diferente.

E vira-se o Grilo: Lembram-se de na semana passada ajudarmos o professor Zé a tirar o carro que estava entalado pelo da gaja do Conselho Directivo?
E diz o Pedro Sílvio (Pedro Silva, na verdade, mas com os copos ele dizia Pêd'Sílvio e pegou.): Ya! Levantámos o carro com uma pinta do caraças.
E lembra o Chicharro: Tá bem, mas era um mini...
E o Grilo: Sim, mas éramos 4. Hoje estamos aqui 14... Bom, o Jorginho não conta... Mas estamos aqui 13!
E o Jorginho: Óh Grilo, pááááá...
E o Grilo: Bora lá experimentar a tirar dali o carro do prof. de T.O.!

E foram. O carro era um Clio, o que fez com que ficasse estacionado a cerca de 20 metros do lugar original. A seguir, um Opel Corsa e um Citroën AX ficaram frente a frente, tapados por um Peugeot daqueles pequeninos, de um lado e por um Golf, do outro. A carrinha do prof. de Educação Física era bem mais leve do que parecia, pelo que ficar estacionada atrás de um arbusto foi uma coisa natural. Ao todo foram estacionados cerca de 20 automóveis em estilo freestyle, o que deu um resultado estético parecido com um Pollock, mas com apontamentos do Impressionismo.

Impressionados, ficaram os professores com a confusão que foi para conseguirem resolver o quebra-cabeças. Era uma espécie de Sudoku, mas com carros.

E os meninos da história, foram apanhados? Claro que não. Porquê?

- Porque meteram as próprias motas em cima dos bancos de jardim e foram fazer queixa ao Conselho Directivo de que "alguém andou a tirar carros e motas do sítio... Não há direito, professora."

E foram felizes para sempre."

Agora saiam-me do colinho, que isto parece um bocado esquisito e a minha namorada não vai achar graça.

.

35 comentários:

  1. Ok bela posta , mas agora vais ter de ver isto...

    Absolutamente imperdível

    http://www.dancefloordale.com

    (mas com cuidado...)

    ResponderEliminar
  2. nããããããããããããããããããããããããããão...!

    aaaaaaaaaaaaaaaaargh!

    Eu que estava a ter um dia tão bonito...

    ResponderEliminar
  3. atrevo-me a dizer que foi o crime perfeito? atrevo-me sim!

    belos tempos em que fazíamos os nossos próprios jogos. agora sacasse tudo da internet.

    ResponderEliminar
  4. ainda achavas tu aqueles menus bizarros...lolol

    a cara de deleite daqueles dois lolol

    ResponderEliminar
  5. Vão lá sacar aquele a ver se está online...!

    ResponderEliminar
  6. Ahahahaha!

    Chorei a rir! Que saudades das partidas escolares...

    ResponderEliminar
  7. Pera lá, Alexandra...

    Estavas a comentar o quÊ?

    :|

    ResponderEliminar
  8. - Na tua escola as partidas envolviam assistir a pessoas pouco esbeltas a dançar e a copular, com efeitos especiais à mistura?

    ResponderEliminar
  9. Ou estavas a falar do meu texto? - É que estou um pouco perturbado e nunca mais serei o mesmo depois de ter seguido o link lá de cima...

    ResponderEliminar
  10. Estava a falar do texto. Não espreitei o link.

    ResponderEliminar
  11. Faz um favor a ti própria e não vás. Ou então vai.

    ResponderEliminar
  12. Acabei de almoçar. Posso mesmo?

    ResponderEliminar
  13. Gostaste assim muito muito do almoço?

    ResponderEliminar
  14. eras um granda BullyCao!

    ResponderEliminar
  15. Pfff... Havias de ver quando rebentámos o extintor no ginásio...

    - Parecia chatilly

    ResponderEliminar
  16. Sushi.

    Carote. Vou esperar mais um pouco.

    Ehhhh! Nós também rebentámos com o extintor. Que escola frequentaste mesmo?

    ResponderEliminar
  17. Estudei numa escola que fica depois do infinito e mais além. Sardoal.

    ResponderEliminar
  18. - Mas se tivesses estudado lá, reconhecerias pelo episódio dos carros. Foi mítico.

    ResponderEliminar
  19. Naaaaa...

    Mas esta dos carros foi linda.

    Todo o post. Fez-me relembrar os dias em que sagradamente a moda mudasse e os rapazes passassem a ter um aspecto mais limpinho... o armário repleto de camisas de flanela axadrezadas, os Duffys...

    Depois dos Duffys (se é assim que se escreve) já estou pronta para ver o link...

    ResponderEliminar
  20. Se soubesses a história que eu sei com um Duffy...

    Olha, vais saber porque vou contar no próximo post.

    ResponderEliminar
  21. OMG!

    Este video devia passar em todas as escolas!

    Acabavam as gravidezes prematuras.

    Eu, pelo menos, tão cedo não pensarei em sexo... O trauma...

    ResponderEliminar
  22. Eu acabei de comprar um bilhete para o Tibete.

    ResponderEliminar
  23. Epá... Nem quero pensar como será o sexo no Tibete...Monges... Ohhhh não!!!!!

    ResponderEliminar
  24. "Saí do teu colo" a partir do momento em que disseste e passo a citar: "tinha o cabelo comprido e camisas de flanela"...
    mas se te serve de consolo, ainda conheço muito boa gente que usa camisas de flanela!!!! opah francamente.... era muita falta de gosto!!!!

    ResponderEliminar
  25. Dizeres que andaste no "Sardoal" e sentires-te bem com isso é d'homem.

    ResponderEliminar
  26. E a razão da deslocar de carros do sítio por parte de mim e do meu pessoal lá na terrinha foi bem mais prosaica: estávamos bêbados.

    E não atingimos esse magnânime número de 20 carros.

    E o pormenor das motas deslocadas como vítimas do vosso próprio crime é, definitivamente, a peça da resistência.

    Os meus parabéns.

    Agora vou so ali mostrar este post ao senhor simpático da PJ e já volto, sim?

    ResponderEliminar
  27. Grassa,

    Se o tiagugrilu frequentou o liceu no tempo dos Nirvanas, Soul Asylum e infames camisas de flanela, este delito já prescreveu há muito...

    ResponderEliminar
  28. Alexandra, uma pergunta: porque é que comes tudo às colheradas?

    ResponderEliminar
  29. Respondendo às vossas questões, por ordem:

    - O sexo com monges tibetanos deve ser, presumo eu, bastante pacífico;

    - Se camisas de flanela era mau, porque é que vocês gostavam?;

    - O Sardoal tem bom vinho. Quinta do Côro. É por isso;

    - Também não afianço que estivéssemos sóbrios;

    - Sim;

    - Pois, porquê?

    (vou mas é desligar o pc que isto não são horas de uma pessoa saudável andar na net)

    ResponderEliminar
  30. Tudo????

    Não salive que não há razão para tal.

    Leite condensado e pouco mais.

    Detestava essas camisas...

    ResponderEliminar
  31. "Leite condensado e pouco mais" é a minha definição de "tudo".

    Eu sou esse tipo de limitado.

    ResponderEliminar
  32. Eu também andei por lá. Posso dizer-te que a minha turma fez pior, felizmente nunca fomos apanhados. Ele havia lá cada um.
    Abraço

    PS - No Sardoal também há o vinha da Quinta do Vale do Armo[www.quintavaledoarmo.com]

    ResponderEliminar
  33. Até te posso adiantar que já despachei duas ou três garrafas de "Vila Jardim Tinto Escolha". Tem um sabor a chocolate preto que é daqui.

    Como tal, reservo-me ao direito de achar que a minha turma sempre foi mais bêbeda do que todas as subsequentes. Ou anteriores.

    ResponderEliminar
  34. Anónimo19:44

    Em primeiro lugar parabéns pelo teu magnifico blog;em segundo o teres-te recordado da peripécia e descrevê-la como fosse ontem da "molhada"de carros e do teu grande amigo professor de T.O.(Luis Diogo,vulgo Zé). Um bem haja para ti, vou estar atento o teu blog, aliás já se encontra nos meus favoritos.Se quizeres dares uma volta pelo meu(completamente variado)está aqui:

    http://ldiogo.blogs.sapo.pt/

    Mais uma vez uma grande abraço.

    ResponderEliminar